tres tracos
Registar

Futebol é rei nas apostas do primeiro trimestre

patricia barbosa
Escritor:
Patrícia Barbosa
Publicado em:
14/06/2022
0 comentario

O Serviço de Regulação e Inspeção de Jogos (SRIJ) publicou, como habitualmente, mais um relatório trimestral, agora referente ao primeiro trimestre de 2022. Como se esperava, o futebol foi o desporto mais procurado pelos apostadores portugueses.

Vejamos com pormenor estes e outros elementos sobre as preferências em termos de apostas desportivas em Portugal no início deste ano.

Futebol, o desporto-rei

Como é habitual e praticamente inevitável, o futebol manteve-se como o desporto mais procurado pelos apostadores portugueses no primeiro trimestre de 2022. De todas as apostas submetidas, 69,88% foram em futebol, isto é, praticamente 70%, um número um pouco superior à barreira simbólica de dois terços.

O ténis e o basquetebol representaram, cada um, cerca de 12% do total, restando cerca de 5% das apostas para os restantes desportos.

Primeira Liga, a preferida

A Primeira Liga mantém-se também como a competição preferida dos apostadores, o que se compreende pela proximidade e pelo conhecimento de que os adeptos dispõem da mesma.

Vejamos as percentagens, medidas em relação ao total de apostas nas principais ligas europeias de futebol:

  • Primeira Liga: 14,9%
  • Premier League inglesa: 7,8%
  • La Liga espanhola: 7,4%
  • Serie A italiana: 6,4%

Se a preferência pelo futebol é esmagadora, a preferência por uma determinada competição não o é tanto.

As quatro ligas mais apostadas representam apenas 36,5% do total, o que significa que 63,5% das apostas em futebol incidem noutras competições, o que é sinónimo de diversidade nas escolhas.

A Liga dos Campeões e a Bundesliga, com valores mínimos e não detalhados pelo SRIJ, foram a 5ª e 6ª competições que recolheram mais apostas, respetivamente.

Os grandes Opens e a NBA

No ténis, o Open da Austrália recolheu a maioria das preferências (13,2%), com os Opens de Miami e de Indian Wells a ficarem bastante perto, com cerca de 10% cada. Já no basquetebol, a inevitável popularidade da NBA ficou patente ao recolher cerca de 62% das apostas nesta modalidade (perto de dois terços do total).

Um mercado em crescimento

Continua a verificar-se a tendência de crescimento das apostas desportivas em Portugal, embora se possam adivinhar sinais de um mercado próximo da maturidade.

A receita bruta de apostas aumentou cerca de 12% em relação ao trimestre anterior e cerca de 23% em relação ao período homólogo do ano passado.

Por outro lado, o número de novos jogadores (cerca de 215 000) diminuiu 1,4% em relação ao último trimestre de 2021 e cerca de 35% em relação ao trimestre homólogo. Isto significa que um grande número de portugueses já aderiu ao hábito das apostas desportivas e, como tal, começa a ser mais difícil para as casas captar novos apostadores – uma vez que não existem.

A solução poderá passar por um acréscimo de agressividade na concorrência entre casas de apostas, com previsíveis benefícios para o cliente, mas isso veremos.

Regista-se ainda um equilíbrio notável entre apostas desportivas e apostas em casinos:

  • 35,9% dos clientes de plataformas de jogo dedicam-se exclusivamente a apostas;
  • 31,6% só jogam no casino; e
  • 32,5% dividem-se entre as duas formas de jogo.