tres tracos
Registar

Como Apostar nas Olimpíadas de Inverno 2022

oddsscanner favicon
Escritor:
Diogo Cardoso
Publicado em:
14/02/2022
0 comentario

Perante esta grande competição e cotações de bastante interesse, nada como vir daí para saber como e onde apostar nela.

Última edição das Olimpíadas de Inverno

A última edição ocorreu em 2018, com a Alemanha e a Noruega a serem os países com maior destaque na competição, ficando ambas na primeira posição de mais conquistas de medalhas de ouro. Em suma, são as principais favoritas a vencer a edição de 2022, fruto das 14 medalhas conquistadas pelas respetivas seleções.

Atrás delas ficou o Canadá (11) e os Estados Unidos (9), o que pode equacionar uma diferença para as olimpíadas de inverno deste ano.
Os principais favoritos em cotação

Assim, a Noruega volta a estar no lote de favoritos, sendo, na verdade, o país com maior probabilidade de vencer mais medalhas. Mas também de conquistar mais medalhas de ouro. Em ambas, a cotação encontra-se em 1.15 e 1.20, respetivamente. Segue-se a Alemanha e Rússia.

País

Mais medalhas

Mais medalhas de ouro

Noruega 1.15 1.20
Alemanha 8.00 5.50
Rússia 7.50 10
Canadá 10 13
EUA 12 13
Países Baixos 50 30
Suécia 66 80
China 100 100
França 200 200

Como apostar nas Olimpíadas de Inverno

Na verdade, é necessário analisar o que aconteceu nas passadas edições para perceber onde realizar as suas apostas. Alguns países têm sempre um lote de atletas de alta qualidade, o que lhes garante sempre medalhas, como foi anteriormente percebido. Afinal, a Noruega e a Alemanha tinham atletas de invejar em 2018 e correram com facilidade várias medalhas de ouro.

Os países de destaque

A Noruega é uma das seleções com maior destaque para esta edição das olimpíadas de inverno, afinal, na transata, arrecadou um lote de 39 medalhas, sendo 14 de ouro, 14 de prata e 11 de bronze. Com vários atletas de 2018 a estarem novamente presentes, é preciso equacionar bastante se os mesmos continuarão ao mesmo nível visto anteriormente.

Contudo, não é destaque único, afinal, a Alemanha também levou para o seu país 31 medalhas. 14 de ouro, 10 de prata e 7 de bronze. Olhando para a história das modalidades que serão disputadas, os alemães têm os ingredientes todos para conseguirem bater um novo recorde de medalhas.

O Canadá foi o terceiro país a alcançar mais medalhas nas últimas olimpíadas de inverno, com 29 conquistadas. 11 de ouro, 8 de prata e 10 de bronze fizeram o país ficar no topo dos mais ativos.

O quarto país a conquistar mais medalhas foi os Estados Unidos. Para casa levou 23 medalhas, sendo elas 9 de ouro, 8 de prata e 6 de bronze.

Em suma, são as principais seleções com maior probabilidade a vencer várias medalhas, onde vale a pena fazer uma aposta a longo prazo. Ainda assim, a Rússia aparece no topo da lista de vencedores, mesmo não tendo estado no leque dos maiores medalhistas de 2018.

Últimas performances das equipas na edição passada

Olhando para 2018, a verdade é que a Alemanha foi uma das equipas mais fortes e, há tendência, para que o mesmo se repita nesta nova edição. Afinal, a título de exemplo, a atleta Natalie Geisenberger está presente nas olimpíadas de inverno de 2022, onde pode erguer novamente medalhas para o seu país.

Todavia, os Estados Unidos não tiveram a melhor performance nos jogos de 2018. Arrecadaram 23 medalhas, mas apenas 9 de ouro. Contudo, neste ano, têm atletas de grande gabarito e, comparando com 2018, podem fazer uma competição muito mais forte. Assim sendo, vale estar atento às modalidades que têm atletas americanos.

A Noruega, assim como os rivais alemães, foi o país mais forte em 2018 e a tendência é para se manter em 2022. Os noruegueses têm as armas essenciais para alcançar um bom número de medalhas na presente edição. De realçar, que são favoritos em várias modalidades.

A Suíça, mesmo não tendo feito uma grande edição nos jogos olímpicos de 2018, a verdade é que tem atletas muito fortes para 2022, tais como Silvana Tirinzoni ou Valentin Tanner.

Destaques para os jogos olímpicos de inverno

Há vários atletas que se têm destacado nos circuitos internacionais, o que os leva a ter um grande favoritismo para a conquista de medalhas de ouro. São atletas de grande relevância para os apostadores, que visam a conquista das medalhas de ouro. Assim sendo, abordamos seguidamente os atletas que podem subir ao pódio para ouvir o hino do seu país.

Suíça

A Suíça tem vários atletas que podem fazer os suíços sorrir. É o caso de Marco Odermatt. O atleta, que irá estar presente em Giant Slalom, Super-G e Downhill, onde decerto conseguirá conquistar alguma das tão desejadas medalhas de ouro. Por ser o favorito, conta com uma cotação de 1,93 para a conquista da medalha. Mas, não é caso único!

Melanie Barbezat, atleta feminina de curling, é a principal estrela suíça, com estatísticas de relevo. Falta-lhe apenas conquistar a medalha olímpica. E, mesmo sendo uma modalidade repleta de grandes atletas, com um equilíbrio satisfatório, a sueca tem tudo para conseguir alcançar, pela primeira vez, uma medalha de ouro. Todavia, a favorita a vencer esta modalidade é a americana Elana Taylor, com uma cotação de 2.50.

Rússia

Se há modalidade onde a Rússia se destaca, é na patinagem artística. Anastasia Mishina e Aleksandr Galliamov são os atuais campeões nacionais da Rússia, campeões do mundo e, agora, campeões da Europa. Assim sendo, o sucesso desta dupla no passado recente, eleva-a como favorita para a patinagem artística das olimpíadas de inverno. Contam com uma cotação de 7.50.

Países Baixos

Os Países Baixos têm uma atleta com um destaque tremendo, que se pode tornar uma heroína nestes jogos olímpicos de inverno. Com vitória em todas as competições femininas do mundial passado, onde conquistou cinco medalhas de ouro, a atleta pode voltar a ser feliz na patinagem de velocidade em pista curta. Tal é o favoritismo, que Suzanne Schulting tem uma cotação de 1.50.

Japão

Ayumu Hirano, japonês, é o grande destaque para o snowboard. Na verdade, com 15 anos tornou-se o atleta mais jovem a receber uma medalha de ouro nesta modalidade. O sucesso manteve-se e em 2018 levou a medalha de prata para o Japão. Com a mesma motivação, Ayumu procura ser o melhor do mundo e tem tudo para receber uma medalha de ouro. O japonês é o favorito a vencer com uma cotação de 2.22.

Ryoyu Kobayashi é outro atleta japonês que entra no lote de favoritos a vencer a sua modalidade de eleição, neste caso, o salto de esqui. Quer em pista longa ou normal, o Japão quer manter a tradição de vitória, que começou em 1972. A sua recente vitória no torneio de Four Hills é a janela de oportunidade que coloca Ryoyu no leque dos favoritos.

Noruega

Foi o país vencedor de mais medalhas de ouro nos jogos olímpicos de inverno de 2018. Para repetir o feito, conta com atletas como Johannes Hosflot Klaebo, que pode ganhar medalhas para as competições a solo e em equipas. Isto faz da Noruega a favorita na modalidade de esqui de fundo em todas as frentes.

O atleta, apelidado de ‘cometa’ tem tudo para, aos 25 anos, continuar a ser o destaque do seu país. Em 2018 venceu três medalhas de ouro e a fasquia mantém-se similar. Porém, conta com concorrência forte e é o terceiro favorito a vencer, com uma cotação de 10.25.

Ainda assim, a Noruega tem vários atletas candidatos à conquista de medalhas, como Tiril Eckhoff, no Biatlo. Na época transata, a atleta teve o seu maior desempenho pessoal, dominando mundialmente em várias competições, tais como sprint e perseguição. Por isso mesmo, é vista como a maior potência de biatlo e pode, tal como em 2014, ser a campeã dos jogos olímpicos de inverno na sua modalidade. A sua cotação é de 9.50 para o sprint de 7,5 km.

Canadá

O Canadá também conta com uma equipa forte para estas olimpíadas de inverno. Na verdade, uma das atletas de destaque é Mélodie Daoust, no hóquei no gelo. Oriunda do país que tem o hóquei em gelo como desporto-rei, a sua glória no percurso até aqui é um grande feito. Mélodie vai cumprir o terceiro jogo olímpico da carreira, sendo que já conquistou a medalha de ouro, em 2014. O Canadá foi o campeão do mundo do ano passado e a atleta é a principal estrela.

Alemanha

Na modalidade de Bobsleigh, a Alemanha conta com uma equipa de alta performance. Na verdade, está perto de fazer história no desporto mundial. Em equipas de dois ou de quatro, a vitória é uma realidade, afinal, conquistaram duas medalhas de ouro em 2018. Em suma, o trenó liderado por Francesco Friedrich conta com uma cotação de 1.17 não só para a competição 2-man, mas também para a 4-man.

A procura por mais medalhas

Quando se pensa a longo prazo, a verdade é que os apostadores podem apostar em quem vai conseguir mais medalhas de ouro. Assim sendo, vamos destacar as probabilidades onde cada país se destaca.

Noruega – esqui alpino, snowboard, esqui cross-country, biatlo e salto de esqui

Alemanha – luge e biatlo

Estados Unidos – esqui cross-country e luge

Canadá – luge e biatlo

O anfitrião pode ter oportunidade

Mesmo existindo países com grande destaque na conquista pelas vitórias e medalhas, a verdade é que o anfitrião joga a seu favor e quer deixar uma boa marca nesta edição das olimpíadas de inverno.

Notícias relevantes para a competição

Infelizmente já há notícias a destacarem-se, pela negativa. É o caso da relativa a Vanina Oliveira, que falhou a porta e não terminou a prova de Slalom, e o que é uma má noticia para os portugueses. Com uma expetativa elevada, a verdade é que a esquiadora falhou uma porta na segunda manga, mandando por água abaixo as esperanças.

A norte americana Lindsey Jacobellis sagrou-se campeã olímpica de snowboard cross, 16 anos após ter perdido o seu lugar devido a uma queda. Assim sendo, os Estados Unidos já começam a colmatar o seu objetivo, ganhar medalhas de ouro.

Perante as adversidades que encontraram na China, várias atletas foram desclassificadas por violações das regras dos fatos nos jogos olímpicos de inverno. De realçar que, quatro equipas eram as favoritas a estar no pódio nas suas modalidades, com o exemplo da Eslovénia.

As melhores apostas para as Olimpíadas de Inverno

Em suma, apostar nas medalhas de ouro é sempre o género de aposta mais viável a longo prazo. Porém, nem sempre é fácil perceber quais são os atletas que podem arrecadar esse trunfo.

Ainda assim, há a possibilidade de apostar quem leva mais medalhas de ouro e, com base nesse critério, há vários países, como abordamos acima, que podem elevar a fasquia em termos de quantidade.

Olhando para as edições passadas das olimpíadas de inverno, os países europeus têm tido papel fulcral, o que se pode repetir este ano.
Também vale a pena olhar para as disputas. Por exemplo, no hóquei no gelo as cotações variam de jogo para jogo, o que pode equacionar mudanças diariamente, principalmente após o resultado final dos jogos.

Contudo, olhando para os favoritos de cada modalidade, vale pensar que as apostas de curto prazo podem ser a janela de oportunidade para perceber como podem ser alavancadas as de longo prazo. Porém, realçamos a importância de verificar as notícias da competição, afinal, tudo pode mudar rapidamente perante algum problema que surja com os atletas, como aconteceu com os fatos.

As Olimpíadas de Inverno de 2022 são disputadas diariamente entre os dias 4 e 20 de fevereiro, sendo que continuaremos a acompanhá-las. Fique connosco!