tres tracos
Registar

Qatar 2022: odds para Portugal e Itália no play-off

patricia barbosa
Escritor:
Patrícia Barbosa
Publicado em:
29/03/2022
0 comentario

Quis o destino que Portugal e Itália, as duas últimas seleções de futebol campeãs da Europa, não apenas falhassem a qualificação direta para o Mundial de 2022, a disputar no Qatar, mas também que se encontrassem no play-off de apuramento. 

Isso significa que uma destas duas altamente cotadas e prestigiadas equipas ficará pelo caminho. 

As casas de apostas têm uma tarefa interessante pela frente, tentando calcular as probabilidades de êxito que se apresentam neste cenário inesperado.

A qualificação para o mundial é um objetivo que, de resto, ambas as seleções podem falhar: o play-off é disputado a quatro e só há uma vaga. Turquia e Macedónia do Norte também gostarão de estar no Qatar. 

Vamos analisar o Caminho C, do qual fazem parte estas quatro equipas (sendo “caminho”, em inglês “path”, a designação oficial que a UEFA dá aos três “grupos” de repescagem, a partir dos quais serão encontradas as três seleções europeias ‘repescadas’ para o Qatar 2022).

Os resultados mais recentes de Portugal e Itália 

Tendo em conta o fracasso da seleção quanto ao objetivo de conseguir a qualificação direta para o Qatar 2022, seria de esperar que os últimos resultados fossem dececionantes. Porém, a verdade é que nos últimos 5 jogos (todos eles válidos para a qualificação) Portugal obteve três vitórias, um empate e apenas uma derrota:

  • Portugal 2-1 Rep. Irlanda
  • Azerbaijão 0-3 Portugal
  • Portugal 5-0 Luxemburgo
  • Rep. Irlanda 0-0 Portugal
  • Portugal 1-2 Sérvia

O saldo é de 11 golos marcados e 3 sofridos. 

Os críticos dirão que estes resultados são expectáveis dada a condição já “crónica” da equipa das Quinas enquanto cabeça de série, defrontando adversários de grupo pouco cotados. Ainda assim, notou-se que a capacidade para alcançar o objetivo esteve lá – e que Cristiano Ronaldo reclamava que, se não fosse por um golo mal anulado, Portugal teria conseguido.

Porém, se a Itália também não conseguiu o objetivo, por alguma razão terá sido. É importante desmistificar a força do nome e do currículo da Squadra Azurra. Isso começa por reconhecer que nos últimos 5 jogos a Itália registou uma vitória e quatro empates:

  • Itália 1-1 Bulgária
  • Suíça 0-0 Itália
  • Itália 5-0 Lituânia
  • Itália 1-1 Suíça
  • Irlanda do Norte 0-0 Itália

O saldo de 7 golos marcados contra 2 sofridos lembra-nos, ainda que pelo jogo solitário contra a Lituânia (tal como no êxito luso contra o Luxemburgo), que o potencial está lá, mas tem estado periclitante.

Turquia e Macedónia do Norte: resultados recentes

Para validarmos completamente as possibilidades destas seleções importa avaliar os percursos dos respetivos adversários. A Turquia, adversário de Portugal, vem com uma boa sequência:

  • Países Baixos 6-1 Turquia
  • Turquia 1-1 Noruega
  • Letónia 1-2 Turquia 
  • Turquia 6-0 Gibraltar
  • Montenegro 1-2 Turquia

Todavia, também os turcos obtiveram resultados expressivos contra adversários menos cotados, tendo sido parados pela Noruega e em especial pelos Países Baixos, com uma sonora goleada. O score de 12 golos marcados contra 9 sofridos não esconde esta realidade.

Também a Macedónia do Norte obteve três vitórias nos últimos cinco jogos:

  • Macedónia do Norte 0-0 Roménia
  • Liechtenstein 0-4 Macedónia do Norte
  • Macedónia do Norte 0-4 Alemanha
  • Arménia 0-5 Macedónia do Norte
  • Macedónia do Norte 3-1 Islândia

A expressiva e recente vitória sobre a Islândia (60ª no ranking de seleções da FIFA, sendo a própria Macedónia do Norte 67ª) prova que a seleção do pequeno país dos Balcãs Ocidentais pode ter sempre uma surpresa na manga.

Como decorreram as últimas edições dos play-offs europeus?

Os resultados das últimas edições dos play-offs europeus de acesso ao Mundial de futebol revelam uma tendência de as equipas favoritas e/ou mais cotadas acabarem por prevalecer dentro de campo. Mas podem existir surpresas.

Nos play-offs de acesso ao Mundial de 2018, disputados em novembro de 2017, estes foram os resultados agregados. Curiosamente, em todos os quatro play-offs uma das duas mãos terminou empatada a zero, pelo que a outra mão decidiu o agregado:

  • Suíça 1-0 Irlanda do Norte
  • Croácia 4-1 Grécia
  • Dinamarca 5-1 Rep. Irlanda
  • Suécia 1-0 Itália

A Suécia encontrava-se 10 lugares abaixo da Itália (25ª posição contra 15ª) no ranking da FIFA em outubro de 2017. Nos restantes, o teoricamente favorito venceu.

A repescagem do Mundial de 2014 revela uma tendência semelhante. Disputada em outubro de 2013, teve os seguintes resultados agregados:

  • Portugal 4-2 Suécia
  • França 3-2 Ucrânia
  • Grécia 4-2 Roménia
  • Croácia 2-0 Islândia

O agregado de Portugal contra a Suécia recorda a célebre segunda mão, na qual Ibrahimovic empatou a eliminatória em apenas cinco minutos, com dois golos a meio da segunda parte, para Cristiano Ronaldo decidir a favor de Portugal com dois golos no último quarto de hora.

Nestes 4 resultados, só a França (21ª) bateu um adversário (Ucrânia, 20ª) numa posição superior no então ranking da FIFA. Ainda assim, uma diferença de posições mínima que se revelaria temporária, dado que a França acabaria por subir na tabela mais tarde ou mais cedo.

É de esperar que Portugal (8ª no ranking FIFA) e Itália (6ª) batam os seus adversários. Este parâmetro dá ligeiro favoritismo à Itália, ainda que não absoluto.

Odds para diferentes mercados

Importa avaliar como estão as casas de apostas, em média, a avaliar este momento. Ainda é prematuro apontar odds para um hipotético Portugal-Itália. Mas para as partidas em preparação já existem previsões.

Portugal-Turquia

Vencedor do Jogo

As casas de apostas estão a colocar odds sensivelmente na ordem de 1,35 para uma vitória portuguesa, 4,85 para o empate no fim do tempo regulamentar e 7,40 para uma vitória dos turcos. 

Ainda assim, uma análise aos últimos 15 jogos da Seleção revela que tem havido dificuldades em jogos contra equipas que estejam no top-50 do ranking FIFA, como é o caso da Turquia. Recordemos:

  • Portugal 3-0 Suécia
  • Portugal 0-1 França
  • Portugal 3-2 Croácia
  • Portugal 2-2 Sérvia
  • Portugal 3-0 Hungria
  • Portugal 2-4 Alemanha
  • Portugal 2-2 França
  • Portugal 0-1 Bélgica
  • Portugal 2-1 República da Irlanda
  • Portugal 0-0 República da Irlanda
  • Portugal 1-2 Sérvia

Neste cenário, talvez alguns apostadores estejam dispostos a arriscar um empate contra a Turquia em busca de uma tentadora odd entre os 4,50 e os 5,00.

Handicap

Uma aposta na vitória de ‘Portugal -1’ está a ser premiada com odds na casa dos 2,00, subindo para 3,45 na de ‘Portugal -2’. Um dia bom de Cristiano Ronaldo poderia valer aqui um prémio assinalável. 

Atenção também às odds na vitória de ‘Turquia +2’, colocando o prémio entre 1,60 e 1,70 e tendo boas possibilidades de se revelar uma escolha acertada.

Resultado Final e Total de Golos

As odds para uma vitória de Portugal e menos de 1,5 golos estão bastante mais altas (entre 5,00 e 6,00) do que para uma vitória da Seleção, mas com mais de 1,5 golos (cerca de 1,60). 

Uma vitória portuguesa e um resultado com mais de 2,5 golos tem uma odd no “sweet spot” de 2,00. 

Itália-Macedónia do Norte

Vencedor do Jogo

As plataformas de apostas desportivas parecem estar ainda mais confiantes na passagem da Itália ao segundo e último jogo de apuramento do que de Portugal. O que se compreende, estando a Turquia no 39º lugar do ranking FIFA e a Macedónia do Norte no 67º.

As odds para uma vitória italiana rondam a casa de 1,20, com o empate a oscilar entre 5,00 e 7,00 e uma vitória dos macedónios acima de 10,00.

Handicap

A vitória da “Itália -1” tem uma odd média entre 1,60 e 1,70, revelando-se novamente como um pouco mais provável que a de Portugal nas mesmas condições, dada a teórica acessibilidade do adversário. 

Uma vitória da ‘Itália -2’ sobe para a casa entre os 2,50 e 2,60, podendo revelar-se uma aposta mais arriscada, mas ainda assim teoricamente possível, se Ciro Immobile estiver de pontaria afinada. 

Há uma outra odd a considerar, que é a vitória da ‘Macedónia do Norte +3’; é daquelas odds que atraem os apostadores aos mercados de handicaps, abrindo possibilidades realistas. Os prémios estão entre 1,35 e 1,45.

Resultado Final e Total de Golos

A hipótese mais “pacífica” neste mercado é uma vitória italiana num resultado com mais de 1,5 golos, conseguindo odds na casa de 1,40. 

Quem prognosticar uma partida de acerto ofensivo italiano poderá “aventurar-se” à vitória transalpina. Somada a um total superior de 2,5 golos, com odds entre 1,70 e 1,80, que talvez estejam sobrevalorizadas.

Portugal e Itália: ponto de situação

No que toca a Portugal, Fernando Santos fez algumas alterações na convocatória já anunciada. De acordo com o Sapo Desporto, trouxe de volta Otávio para o meio-campo e Cédric, Gonçalo Inácio e Raphaël Guerreiro para a defesa. 

Palhinha, João Mário e Rafa ficaram de fora por opção do treinador, juntando-se aos lesionados Renato Sanches, Rúben Dias e Nelson Semedo. José Sá e Gonçalo Guedes cumprem as seis alterações em relação à convocatória anterior.

Entre os adeptos, muitos comentários e críticas poderiam ser feitos quanto à exequibilidade de outras convocatórias, como as de Pedro Gonçalves ou Trincão. Porém, para avaliar as probabilidades de sucesso de Portugal neste Caminho C, só interessa mesmo analisar os convocados. 

Importa salientar que João Cancelo cumprirá um jogo de castigo contra a Turquia e só poderá jogar se Portugal passar à final do Caminho C, contra a Itália ou a Macedónia do Norte.

Quanto à Itália, a verdade é que existem sérias dúvidas quanto ao melhor caminho a tomar. A crise que se abateu sobre a Squadra Azurra não está, de forma alguma, debelada. 

O histórico capitão Giorgio Chiellini e o também defesa Bonucci têm-se debatido com lesões, prevendo-se a sua substituição por Acerbi e Bastoni. O site JuveFC alarga estas escolhas e “sugere” ao selecionador Mancini a convocatória do defesa do Empoli, Daniele Rugani.

Também Leonardo Spinazolla, referência dos transalpinos, tem sofrido com um problema no tendão de Aquiles. Na ala esquerda há dúvidas entre Insigne e Pellegrini. E no ataque, embora seja praticamente certa a titularidade de Ciro Immobile, continua a eterna questão em torno do grande goleador da Lazio de Roma: a sua aparente incapacidade de traduzir na seleção os seus resultados no campeonato italiano. Immobile tem apenas 15 golos nos 54 jogos que já efetuou ao serviço da sua seleção nacional.

Histórico entre Portugal e Itália

Os apostadores experientes sabem que o histórico de longo prazo vale muito pouco em termos de análise presente. No que toca a resultados da seleção portuguesa, esse histórico ainda vale menos, porque a equipa das Quinas tornou-se nos últimos 25 anos uma seleção de topo europeu e mundial. Isso, basicamente, “invalidou” todo o histórico anterior. 

O grande número de vitórias de Itália sobre Portugal explica-se pelo facto de a Itália quase nunca ter deixado de ser uma grande potência futebolística desde o início dos mundiais até hoje, enquanto Portugal, até aos anos 90, era uma seleção secundária.

Importa mais avaliar os resultados recentes entre Portugal e Itália, em especial os três últimos encontros – os únicos que se disputaram desde 2009 para cá. 

Temos um jogo particular em 2015, com vitória portuguesa por 1-0, e duas partidas a contar para a Liga das Nações, em 2018, que resultaram numa vitória lusa por 1-0 e num empate a 0-0. Conte-se ou não com o jogo particular, o saldo é ligeiramente favorável a Portugal.

E um palpite geral?

A História (de longo prazo) traz um elemento perturbador para os adeptos portugueses e que pode fazer diminuir ligeiramente as odds de aposta numa qualificação dos transalpinos. 

Nunca, em toda a história dos mundiais, a Itália deixou de se qualificar em duas edições consecutivas! 

De resto, 1958 e 2018 foram as únicas edições para as quais os italianos não se qualificaram (excluindo o Mundial inaugural, em 1930, no qual não participaram). Será provável falharem o acesso duas vezes seguidas?

Por outro lado, Portugal tem participado em todas as fases finais das grandes competições de seleções (Europeus e Mundiais) de forma ininterrupta desde 2000. A última vez que falhou totalmente uma fase de qualificação foi no Grupo 9 da qualificação UEFA para o Mundial de 1998, ficando-se pelo terceiro lugar, atrás da Alemanha e da Ucrânia.

Sem dúvida que, destas duas seleções, a que falhar o Qatar 2022 incorrerá em mais uma anomalia histórica de grande alcance.