tres tracos
Registar

NBA: Quais as hipóteses de uma 14ª reviravolta de 3-1?

patricia barbosa
Escritor:
Patrícia Barbosa
Publicado em:
23/05/2022
0 comentario

Há muitas décadas que a NBA dos Estados Unidos, a maior liga profissional de basquetebol do mundo, usa um formato de play-offs à melhor de sete para encontrar os finalistas e o vencedor de cada época.

Quando uma equipa se encontra a vencer por 3-1, basta-lhe obter a 4ª vitória para passar à fase seguinte (ou vencer o título, se se tratar da final). Já o adversário tem de vencer três jogos consecutivos, depois de haver perdido três vezes nos primeiros quatro.

Estas reviravoltas ou “remontadas” (pois os portugueses têm vindo a adotar o termo castelhano) são raras, mas podem acontecer.

Até que ponto tal pode influenciar as suas apostas em basquetebol na NBA? Vejamos ao pormenor!

Situação atual

No momento, há apenas duas partidas por disputar nas meias-finais das Conferências. Na Conferência Oeste, os Phoenix Suns e os Dallas Mavericks estão empatados 3-3, tal como os Boston Celtics e os Milwaukee Bucks na Conferência Leste.

Os vencedores das eliminatórias enfrentarão os Golden State Warriors e os Miami Heat, respetivamente.

Importa salientar que, à data atual e considerando toda a história da NBA (e de acordo com o portal especializado Land of Basketball), 270 eliminatórias de play-off estiveram, em algum momento, com um resultado de 3-1.

Em 95,2% dessas ocasiões (ou seja, em 257), a equipa que vencia por 3-1 acabou por vencer o play-off. As 13 reviravoltas correspondem aos restantes 4,8%. Trata-se, naturalmente, de um feito muito difícil de alcançar e por isso mesmo bastante raro, como a estatística demonstra.

Reviravoltas bem sucedidas

Vejamos, um por um, os casos em que estas 13 reviravoltas aconteceram.

1968: Boston Celtics

Os Celtics ultrapassaram os Philadelphia 76ers na final da Divisão Leste, tendo vencido dois dos jogos enquanto visitantes. A equipa de Massachusets acabaria por vencer a final e consagrar-se campeã, derrotando os LA Lakers num dos muitos episódios daquela que é, para todos os efeitos, a grande rivalidade histórica do basquetebol americano – entre as suas duas equipas mais tituladas e bem-sucedidas.

1970: Los Angeles Lakers

Os Lakers converteram uma desvantagem de 3-1 em relação aos Phoenix Suns numa vitória. Viriam posteriormente a perder a final para os New York Knicks, mas levando o desafio até à “negra”, isto é, até ao sétimo jogo.

1979: Washington Bullets

O caminho até à final inclui uma reviravolta de 3-1 sobre os San Antonio Spurs. Todavia, a equipa da capital federal americana perderia contra os Seatlle Supersonics na final, por 4-1. Os Bulletts viriam a converter-se nos Washington Wizzards em 1997.

1981: Boston Celtics

Numa reedição do confronto de 1968, os Celtics tornaram a eliminar os 76ers, na final da agora designada Conferência Leste. Os Celtics venceram os 5º e 6º jogos por 2 pontos de vantagem e o 7º por apenas 1 ponto.

Não surpreende que o comentador e especialista John Hollinger tenha classificado este play-off, num artigo na ESPN, como o melhor da história da NBA. Os Celtics viriam a vencer uma final contra os Houston Rockets, uma presença surpreendente e que acabou por baquear perante o poderio dos “irlandeses”.

1995: Houston Rockets

Mas foram os Rockets a assegurar a reviravolta seguinte, na segunda época em que estabeleceram o seu “interregno da década de 90”, coincidindo com a primeira “reforma” de Michael Jordan e uma pausa no poderio dos Chicago Bulls. As vítimas foram os Phoenix Suns.

1997: Miami Heat

O “calor” (Heat) surgiu no 5º jogo, quando uma disputa no ringue (demonstrando que estas situações não acontecem apenas no futebol) levou a que fossem aplicadas suspensões a nomes como Charlie Ward, Patrick Ewing, Allan Houston, Larry Johnson e John Starks.

O evento contribuiu para que os Heat vencessem esse 5º jogo e os dois seguintes, virando a eliminatória.

2003: Detroit Pistons

Richard Hamilton e Chauncey Billups foram importantes na reviravolta dos Pistons sobre os Orlando Magic, treinados por Doc Rivers, na primeira ronda do play-off de 2003.

2006: Phoenix Suns

36 anos depois, os Suns devolveram o “favor” e aplicaram uma reviravolta de 3-1 sobre os Lakers, tendo sido a primeira vez que tal aconteceu na história da NBA. O brilhantismo de Kobe Bryant não foi suficiente para evitar a derrota, com o brasileiro Leandro Barbosa em destaque no 7,º ao marcar 26 pontos pelos Suns.

2015: Houston Rockets

Doc Rivers, agora orientando os LA Clippers, tornou-se o primeiro técnico a sofrer duas reviravoltas de 3-1, doze anos depois da primeira.

Nas meias-finais da Conferência Oeste, e com muitos pontos “assinados” por James Harden, os Rockets conseguiram a passagem à final, onde seriam derrotados pelos Warriors de Stephen Curry por 4-1.

2016: Golden State Warriors

Os Warriors tiveram a contribuição de Leandro Barbosa, na sua segunda participação numa “remontada” de 3-1 vitoriosa, para vencerem os Oklahoma City Thunder na final da Conferência Oeste.

2016: Cleveland Cavaliers

A grande final de 2016 (“Final da NBA”) ficou para a história por vários motivos.

Não só por ter sido a primeira final na qual se verificou uma reviravolta deste 3-1. Foi também porque os adversários derrotados, os Golden State Warriors, vinham da melhor temporada regular de sempre da história da NBA, com 73 vitórias e apenas 9 derrotas. Vinham, como acabámos de ver, de uma reviravolta de 3-1. Eram considerados claramente favoritos.

A vitória dos Cavaliers teve tanto de inesperada quanto de memorável.

2020: Denver Nuggets

Na primeira ronda do play-off, os Nuggets conseguiram a reviravolta sobre os Utah Jazz vencendo o 7.º com uma vantagem de apenas 2 pontos. Num placard invulgarmente baixo para a NBA (80-78), destacaram-se os 30 pontos de Nikola Jokic.

2020: Denver Nuggets

Na meia-final, os Nuggets repetiram a proeza, agora sobre os Los Angeles Clippers, e tornaram-se a primeira equipa a conseguir reviravoltas de 3-1 em eliminatórias consecutivas. Note-se que foi a segunda vez em 5 anos que os Clippers deixaram escapar a vitória num play-off depois de estarem a vencer por 3-1.

Os Nuggets arrasaram no 7º jogo com 15 pontos de diferença (104-89), muito graças aos 40 pontos de Jamal Murray e aos 22 ressaltos de Jokic. Contudo, os Nuggets seriam concludentemente derrotados na final da Conferência Oeste por 4-1 pelos Lakers.

Reviravoltas sem sucesso

Como a estatística acima mostra, em cerca de 95% dos casos a equipa que se vê a perder por 3-1 acaba por perder a eliminatória. Na esmagadora maioria desses casos, a equipa que perde por 3-1 é eliminada por 4-1 ou por 4-2 (ou seja, consegue vencer o 5º jogo e perde o 6º).

Mais raro é que a equipa que perde por 3-1 consiga, pelo menos, empatar o play-off a 3-3. Isso sucedeu em 34 ocasiões, cerca de 12% do total. Nessas 34 ocasiões, contra as 13 reviravoltas bem sucedidas houve 21 em que a equipa que perdia por 3-1 acaba por “morrer na praia” e perder o 7º jogo.

A estatística acaba por mostrar que, em geral, o favoritismo demonstrado nos primeiros quatro jogos do play-off tende a prevalecer.

Vejamos, resumidamente, as 21 ocasiões em que a reviravolta fracassou no 7º jogo (com a equipa vencedora entre parênteses):

  • 1951: New York Knicks (Rochester Royals, hoje Sacramento Kings)
  • 1966: St. Louis Hawks, agora Atlanta Hawks (Los Angeles Lakers)
  • 1966: Los Angeles Lakers (Boston Celtics)
  • 1971: Philadelphia 76ers (Baltimore Bullets, hoje Washington Wizzards)
  • 1973: Boston Celtics (New York Knicks)
  • 1978: Milwaukee Bucks (Denver Nuggets)
  • 1979: Atlanta Hawks ( Washington Bullets, hoje Washington Wizzards)
  • 1979: Philadelphia 76ers (San Antonio Spurs)
  • 1981: Phoenix Suns (Kansas City Kings, hoje Sacramento Kings)
  • 1982: Boston Celtics (Philadelphia 76ers)
  • 1987: Milwaukee Bucks (Boston Celtics)
  • 1994: Denver Nuggets (Utah Jazz)
  • 1995: New York Knicks (Indiana Pacers)
  • 1996: Utah Jazz (Seattle SuperSonics, hoje Oklahoma City Thunder)
  • 1997: Seattle SuperSonics (Houston Rockets)
  • 2000: Portland Trail Blazers (Los Angeles Lakers)
  • 2003: Portland Trail Blazers (Dallas Mavericks)
  • 2006: San Antonio Spurs (Dallas Mavericks).
  • 2012:Denver Nuggets Los Angeles Lakers
  • 2012: Memphis Grizzlies (Los Angeles Clippers)
  • 2013 Brooklyn Nets (Chicago Bulls)

Conclusão

Mais uma vez revela-se a força da estatística e da história dos números. Um play-off de basquetebol da NBA que se encontre por 3-1 é extraordinariamente difícil de reverter.

Embora a legislação não permita às casas de apostas nacionais lançar odds sobre este mercado específico (isto é, apostar que uma equipa que perde por 3-1 vai conseguir a reviravolta), esta estatística é útil para orientar apostas no Vencedor do Jogo.

Quando uma equipa se encontra a vencer por 3-1 num play-off, a probabilidade de vencer um dos dois jogos seguintes (e de vencer o play-off) é de 88%, como vimos. Terá de ser uma odd muito favorável, aliada a uma análise muito detalhada das circunstâncias, para apostar contra.

Mas como vimos também, mais tarde ou mais cedo tais reviravoltas acontecem. E é certo que, os prémios de apostas na equipa que passa de “underdog” a vencedora do play-off serão bastante recompensadores.

Antes de fazer a sua escolha, pode contar com o OddsScanner para encontrar as melhores ofertas de apostas desportivas em basquetebol, sempre – e apenas – nas melhores casas de apostas nacionais.