tres tracos
Registar

NBA – Os números por trás da primeira equipa a chegar aos 100 pontos

tiago magalhaes
Escritor:
Tiago Magalhães
Publicado em:
25/02/2022
0 comentario

A NBA é uma das ligas desportivas mais prestigiadas no desporto a nível mundial, para além de um dos espetáculos mais apreciados pelos amantes do basquetebol.

Esta paixão por um dos desportos-rei nos Estados Unidos da América vai muito para além de uma franchise ou da modalidade em si, sendo que alguns adeptos adoram investigar os números por detrás do que se passa, e no Odds Scanner estamos cá para ajudar.

A análise estatística é cada vez um fator mais valorizado no desporto, não só pelas equipas em si, mas também por agentes da modalidade, como acontece com Ralph Lawrer.

Neste artigo irá ficar a conhecer um pouco mais sobre a vida deste comunicador e amante da NBA, que acabou por “criar uma lei estatística” com o seu nome.

Quem é Ralph Lawrer?

Ralph Lawrer é uma das vozes mais carismáticas da NBA, tão simples quanto isso. O norte-americano, agora com 83 anos, é reconhecido como o comentador que viu toda a sua vida ligada aos Los Angeles Clippers, mesmo quando estes ainda estavam em San Diego.

O seu primeiro jogo como comentador de rádio foi em 1978, antes mesmo de se tornar uma figura mediática de televisão. Foi também nesta altura que lançou uma frase que ficaria marcada na história da NBA.

Através de Lawrer nasceu o “First to 100 wins. It’s the law”, em português, “A primeira equipa a chegar aos 100 ganha. É a lei”.

A “lei de Lawrer” e as suas principais caraterísticas

A “lei de Lawrer” como é referida há muitos anos, não partiu inteiramente de Lawrer, já que este admitiu que se trata de uma “adaptação” das conversas que tinha com Al Domenico, um dos treinadores do Philadelphia 76ers, na década de 70.

Durante o jogo, Domenico dizia sempre que a primeira equipa a chegar aos 100 venceria, olhando sempre para Lawrer enquanto este trabalhava na rádio.

Contudo, é impossível saber até que ponto os dois estavam corretos na altura, já que a NBA não mantinha um sistema jogada-a-jogada, onde se pudesse retirar estes dados estatísticos e analisá-los convenientemente.

Este tipo de dados estatísticos começou a ser assimilado a partir da temporada 1996-1997, numa era em que os Chicago Bulls dominavam a NBA e onde era notório um crescente volume de pontos anotados, que também ajudaram a cimentar esta “lei”.

Apesar de ser meramente uma “frase que fica no ouvido”, a verdade é que se tornou uma das mais prestigiadas no círculo da NBA, com várias equipas a começarem a entender a tendência mais ofensiva e a procurarem perceber os números por detrás da estatística.

Numa era digital em que tudo é muito mais fácil de analisar, a lei da primeira equipa a chegar aos 100 pontos impera e com números verdadeiramente impressionantes.

Os números que marcam esta lei

O primeiro número e, provavelmente o mais importante a realçar no que toca à “lei de Lawrer”, é que contar com mais de 20 mil jogos na sua base de dados, um número que torna a amostra bastante considerável.

Dos mais de 20 mil jogos realizados na NBA desde a temporada 1996-1997, este dado estatístico verificou-se de forma correta em cerca de 92% dos jogos, uma “taxa de acerto” muito significativa, que demonstra que Lawrer não estava assim tão longe da verdade.

O comentador norte-americano proferiu esta frase numa era em que os marcadores de pontos eram relativamente baixos, fazendo com que a sua teoria fosse mais evidente, já que poucas equipas passavam a marca dos 100 pontos nos jogos.

No final da década de 90 e inícios de 2000, os números de marcação de pontos foram muito baixos, sendo que a “lei” viu a sua percentagem ter uma taxa de acerto inferior. Contudo, esta tendência viria a mudar com a mudança de regras.

Com mais lances livres realizados devido aos inúmeros contactos e um maior uso do lançamento exterior, os números voltaram a subir, sendo que os tempos em que os Warriors e os Bulls ofereciam “Big Macs”, se a sua equipa chegasse aos 100, já lá vão.

Esta evidência estatística mantém-se até aos dias de hoje, com a NBA a possuir equipas capazes de anotar com frequência na casa dos 120 pontos.

A verdade é que, tendo em consideração todas as eras da NBA, é incrível como os números se mantém elevados, mesmo com a tendência de as equipas marcarem mais pontos.

Os recordes que mais se destacam

Tal como referimos acima, são mais de 20 mil jogos analisados relativamente a esta “Lei de Lawrer”, sendo que até à altura deste artigo, o número em concreto de partidas revistas é de precisamente 21 936, com uma taxa de acerto que corresponde a 92,54%.

Continuando a falar de números interessantes, a última equipa a quebrar esta lei acabou por ser os Sacramento Kings, no dia 9 de fevereiro, perdendo frente aos Minnesota Timberwolves num jogo da fase regular, mesmo depois de ter estado a vencer por 101-97 a determinada altura do encontro.

A equipa que mais vezes infringiu a “lei de Lawrer” foi os Oklahoma City Thunder (antigos Seattle Supersonics). Esta equipa conseguiu ganhar 80 partidas depois de estar a perder frente a uma equipa que chegou primeiro aos 100 pontos.

No lado inverso, a equipa que mais vezes perdeu os jogos, depois de ter sido a primeira a chegar aos 100 pontos, foi os Denver Nuggets, que tiveram a audácia de “quebrar a lei” por 70 ocasiões.

Outro número interessante está em quando ambas as equipas marcam 100 pontos num jogo, com a taxa de acerto a baixar para os 84,39%, com um recorde de 8846-1636 até à data.

Por último, outro dado estatístico também a reportar é quando uma equipa está a vencer por 5 ou menos pontos quando atinge os 100 pontos marcados. Neste caso, a “lei de Lawrer” tem uma percentagem de acerto ainda mais baixa, na casa dos 76,63%.

Apostas relacionadas com esta estatística

As casas de apostas em Portugal têm um “carinho especial” pela NBA, que é uma das ligas mais apostadas, não só do basquetebol, mas também do desporto em geral.

Esta motivação deve-se muito à enorme quantidade de jogos durante cada temporada, sendo que, entre a fase regular e os “playoffs”, mais de 80 jogos são disputados por cada franchise.

Assim, é com alguma naturalidade que vemos alguns mercados evidenciar-se, sobretudo os relativos à marcação de pontos – totais de pontos no jogo, totais de pontos de equipa, primeira equipa a chegar a “x” pontos, entre outros.

Relativamente à “Lei de Lawrer”, os mercados que estão mais em evidência é o do “total de pontos de equipa” e, se estiver a acompanhar o jogo ao vivo, o da “primeira equipa a chegar aos 100 pontos”. Partindo deste princípio, poderá também encontrar odds boas relativamente ao “vencedor do encontro”.

É fácil deixarmo-nos levar somente pelos números, por isso, mantenha sempre um olho no que está a acontecer durante o jogo, para entender as dinâmicas existentes nas duas equipas e o que poderá acontecer.

A “era moderna” da estatística

A maioria dos desportos cada vez dá mais importância à análise estatística e de outros dados que consigam recolher através do equipamento digital que se encontra instalado nos diferentes pavilhões e estádios nas melhores competições do mundo.

Neste momento, usando a NBA como exemplo, é possível saber o momento exato em que um jogador realizou um lançamento, a zona do campo, as percentagens em relação a diferentes situações de jogo, entre outros.

Todo este novo mundo trouxe uma abordagem muito mais matemática não só à análise de jogos, mas também às previsões das apostas desportivas, tornando-se um fator crucial a juntar a outras características importantes relativas a uma possível aposta.

Já existem inúmeros programas automatizados para apresentarem as possíveis linhas de apostas num jogo, mesmo antes delas saírem para os mercados de apostas, conseguindo assim ganhar uma ligeira vantagem em relação às operadoras.

Esta “vantagem” nem sempre é real, porque se os modelos matemáticos tivessem uma enorme percentagem de acerto, as casas de apostas não existiriam, além de que existirá sempre um fator que nunca será calculável – o erro humano.

O futuro está nos números, até certo ponto

É inegável que a análise estatística é um ponto muito importante para as franchises, não só na avaliação de determinados jogadores, mas sobretudo dos diferentes “matchups” que irão encontrar ao longo do ano e em especial nos “playoffs”.

Reconhecer quais são os “sweet spots” de um determinado jogador ou tentar parar o domínio ofensivo de um determinado adversário, poderá muito bem ser evidenciado através de números, mas nunca irá substituir o que acontece no jogo em si.

A capacidade de o ser humano “ver o jogo” e entender as diferentes dinâmicas continuará a ser a chave para o sucesso durante muito tempo, sobretudo nas apostas desportivas e mesmo com números tão impressionantes como os da “lei de Lawrer”.